Bolsonaro afirma que Vale será o 'Vale do Silício' e apoia fusão da Embraer

05 DEZ 2018   |   Por Jornalismo  |   09:54
Foto: Reprodução

Em visita a Guaratinguetá, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) ressaltou que a região do Vale do Paraíba terá uma importância estratégica para o seu governo.

Ao lado do futuro ministro da Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes, Bolsonaro disse que a região será uma espécie de "Vale do Silício" brasileiro, a exemplo da região nos Estados Unidos que agrupa empresas de alta tecnologia, como Google e Facebook, por exemplo.

"Estudamos junto com o Marcos Pontes criarmos aqui no Vale do Paraíba um 'Vale do Silício', que poderia ser Vale do Grafeno ou do Nióbio, existe essa possibilidade" afirmou. "A região pode ser a escolhida pela proximidade de grandes empresas. Seria aqui na região do Vale".

EMBRAER

Bolsonaro esteve em Guaratinguetá na manhã desta sexta-feira para acompanhar a formatura de 535 sargentos na Escola de Especialistas de Aeronáutica.

Na conversa com jornalistas, ele comentou sobre a negociação entre a Embraer e a Boeing, que depende de um aval do governo federal.

A equipe de transição do presidente eleito manifestou interesse em acompanhar a negociação. Em Guará, Bolsonaro confirmou que irá aprovar o negócio.

"Conversei com o comandante da Aeronáutica sobre essa fusão. Sou favorável, e sou muito bem assessorado pela Aeronáutica", disse Bolsonaro. "A Embraer se continuar solteira a tendência é desaparecer. Está sendo muito bem conduzido esse processo e até momento, por tudo que tomei conhecimento, já que é uma golden share [ação especial do governo federal] daremos o prosseguimento para a fusão", afirmou o presidente eleito.

Bolsonaro critica saída de presos em indulto

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse que seu governo endurecerá as penas contra criminosos e que não dará indulto a presos.

"Não é questão só de corrupção. Qualquer criminoso tem que cumprir sua pena de maneira integral, essa é a nossa política, é isso que acertei com o Sergio Moro [futuro ministro da Justiça], para tratar essas questões. Se não houver punição ou se ela for branda é um convite à criminalidade", disse Bolsonaro em Guaratinguetá.

Sobre o indulto, que é dado por decreto presidencial, ele disse que a caneta dele "continuará com a mesma quantidade de tinta até o final do mandato, em 2022".

Bolsonaro também tratou da intervenção federal na segurança do Estado do Rio de Janeiro, que terminará no final do ano.

"Assumindo, não a prorrogarei. Se quiser falar em GLO (Garantia da Lei e da Ordem), vou defender no parlamento para assinar a GLO, mas quero retaguarda jurídica para as pessoas que fazem a segurança no país", afirmou.

Segundo Bolsonaro, os que compõem as forças de segurança precisam desse amparo jurídico.

"Não posso admitir integrantes das forças armadas, da Polícia Militar e da Polícia Federal, após cumprimento da missão, terem que responder a um processo. Devemos ter segurança jurídica, caso contrário, como presidente, não serei irresponsável de colocar nossos homens e mulheres na rua para serem processados".

Bolsonaro falou ainda da possibilidade de a pastora evangélica Damares Alves, assessora do senador Magno Malta (PR), assumir o Ministério da Família e Direitos Humanos. "É uma forte concorrente".

Defendeu os militares no governo: "Escolho militares mas não por ser militar, mas por formação e pelo que fizeram na ativa".

Afirmou que escolherá o nome do ministro do Meio Ambiente entre cinco opções, todas "excepcionais" e que pasta terá perfil diferente: "Queremos política para preservar, mas não de forma xiita como é feita atualmente. Vamos acabar com a indústria da multa. O setor não pode atrapalhar o homem do campo".

Fiéis rezam por presidente eleito na visita à Basílica de Aparecida

Jair Bolsonaro também visitou o Santuário Nacional de Aparecida, logo após deixar Guaratinguetá. Na Basílica, o presidente eleito visitou o nicho que guarda a imagem de Nossa Senhora Aparecida e recebeu uma oração de devotos que estavam no local.

Bolsonaro foi recebido pelo arcebispo de Aparecida, dom Orlando Brandes, e pelo ecônomo do Santuário Nacional, padre Daniel Antonio.

Ao lado do astronauta Marcos Pontes, indicado por Bolsonaro como Ministro da Ciência e Tecnologia, o presidente eleito percorreu parte da Basílica, como o altar central.

'Corredor' do tráfico, Via Dutra terá reforço na vigilância para conter atuação do crime

Capital da violência no interior do Estado de São Paulo, o Vale do Paraíba é uma das principais rotas para o contrabando de armas e drogas entre as duas principais cidades do país, Rio de Janeiro e São Paulo.

Por isso, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse que a Via Dutra receberá uma atenção especial do governo."Medidas serão anunciadas brevemente pelo ministro da Justiça e Segurança, Sergio Moro", afirmou Bolsonaro.

"Bons projetos virão dele, e contarão com nosso apoio para combater a corrupção e o crime organizado. Temos a rodovia, mas o Brasil todo é um queijo suíço. Vamos buscar maneiras de diminuir o tráfico de ilícitos no Brasil. Vamos endurecer contra os criminosos".


Fonte: OVale

















Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.