São José retoma programa que desenvolve habilidades de alunos superdotados

Programa Decolar identifica, acompanha e estimulado desenvolvimento do potencial de estudantes da rede municipal da cidade. Eles começaram a ser atendidos em agosto.

01 OUT 2018   |   Por Jornalismo  |   09:36
Foto: Divulgação/Prefeitura de São José dos Campos
São José retoma programa que desenvolve habilidades de alunos superdotados
Alunos do Projeto Decolar durante aula de modelagem 3D

A Prefeitura de São José dos Campos (SP) retomou após cinco anos o 'Programa Decolar', que ajuda no desenvolvimento do potencial de alunos considerados superdotados na rede municipal. Mais de 80 alunos do 6º ano da rede municipal foram selecionados e estão sendo atendidos por voluntários desde agosto. A intebção é chegar a 500 atendidos.

Os alunos considerados com capacidade elevada foram observados pelos professores durante três anos, do 3 ao 5º ano do ensino fundamental. Após esse período, eles foram analisados por especialistas do programa e as crianças selecionadas foram inscritas.

No início do ano, após essas etapas, os pais foram comunidados sobre metodologia do programa e os voluntários, que ajudam no desenvolvimento das habilidades dos estudantes, passaram por treinamentos.

A menina Kauany Castro Martins, de 11 anos, foi uma das escolhidas. A Joyce Cristina, mãe dela, contou que a filha se dedica muito aos estudos. "Ela sempre tirou boas notas. A professora me chamou e disse que ela era avançada e demonstrava mais interesse, em média, que os outros colegas", falou.

A mãe também falou sobre a participação da filha no programa. "Ela está feliz demais e já contou que está envolvida em um projeto em que vai criar um robô", contou Joyce, que explicou que a filha foi selecionada para área de engenharia, mas que também foi convidada para participar de aulas de inglês e pedagogia, outros assuntos que ela se interessa.

Apesar de se interessar por vários assuntos, a Kauany já escolheu qual profissão quer seguir. "Quero ser engenheira eletrônica. Quando eu vi o primeiro robô eu quis saber como ele era feito, como era a programaçõ e seus movimentos", falou.

As atividades extra-curriculares para os superdotados ocorrem uma vez por semana, em horários diferentes dos das aulas, e têm duração de cerca de duas horas. O programa conta com 28 voluntários das áreas de astronomia, inglês, espanhol, histórias, biologia, química, japonês, culinária, robótica, matemática, pintura em tela, engenharia, teatro, circo, dança, teclado e violão.

A chefe de cozinha Thais Okamoto é uma das voluntárias na área de culinária. Ela dá aulas de gastronomia para oito crianças de 12 anos. "Metade tem bastante experiência e já cozinha em casa. Eu me sinto horanda em poder influenciar essa próxima geração de cozinheiros que daqui a 20 anos com certeza estará liderando, no mercado de trabalho", disse.

O plano de ensino dela segue o interesse dos alunos. "Eu sigo o que eles querem aprender. São crianças que escolheram fazer isso, então elas não vem aqui por obrigação, isso é maravilhoso", concluiu Thais.

 

Fonte: G1

















Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.